terça-feira, 15 junho, 2021 - 16:52
Capa » Crime » Crianças do RN perdem as digitais na quebra da castanha de caju
Crianças do RN perdem as digitais na quebra da castanha de caju

Crianças do RN perdem as digitais na quebra da castanha de caju

                                                                                                  Fotos Daniel Santini/Repórter Brasil
crianças adolescentes digitais ácido castanha trabalho infantil crime Rio Grande do Norte


Crianças têm as mãos queimadas por ácido e perdem as digitais dos dedos no processo de quebra da castanha de caju em João Câmara, no interior do Rio Grande do Norte.

A pele das mãos dessas crianças é fininha e a ponta dos dedos, que costumam segurar as castanhas a serem quebradas, é lisa e sem as ranhuras que ficam marcadas a tinta nos documentos de identidade. Isso porque o óleo presente na casca da castanha de caju tem em sua composição o ácido anacárdico, que corrói a pele, provoca irritações e queimaduras químicas. A perda da identidade não é permanente. Com o tempo, as digitais voltam se a pessoa se afastar da atividade.

                                                                                                  Fotos Daniel Santini/Repórter Brasil

crianças adolescentes digitais ácido castanha trabalho infantil crime Rio Grande do Norte



O emprego de crianças na quebra da castanha de caju está incluído na lista de piores formas de trabalho infantil, ao lado de atividades como beneficiamento do fumo, do sisal e da cana-de-açúcar. 

Maria Redivan Rodrigues, secretária de Assistência Social e primeira-dama de João Câmara, promete solucionar o problema até setembro de 2014. O Brasil se comprometeu a erradicar as piores formas de trabalho infantil até 2015.

http://blogdosakamoto.blogosfera.uol.com.br/2013/09/20/criancas-do-rn-perdem-as-digitais-na-quebra-da-castanha-de-caju/

Sobre Luciano Abe

Avatar
Jornalista, fotógrafo, videorrepórter, documentarista, cineasta, mestrando e blogueiro com diplomas e certificados de cursos e especializações nessas áreas pela PUC-SP, Academia Internacional de Cinema (AIC) e Senac-SP. Foi professor no Senac-SP e na editoria de treinamento da Folha de S.Paulo. Jornalista profissional diplomado (Mtb: 0068126/SP)