quinta-feira, 20 setembro, 2018 - 22:43
Capa » Índice - Ordem Cronológica » Cigarro eletrônico pode ser de 5 a 15 vezes mais cancerígeno, diz estudo
Cigarro eletrônico pode ser de 5 a 15 vezes mais cancerígeno, diz estudo

Cigarro eletrônico pode ser de 5 a 15 vezes mais cancerígeno, diz estudo

Aquecido ao máximo e aspirado profundamente, o vapor com nicotina dos cigarros eletrônicos pode produzir formaldeído, uma substância que o torna de cinco a quinze vezes mais cancerígeno que o cigarro comum, revela um estudo publicado no dia 21.jan.2015 por pesquisadores da Universidade de Portland (Oregon), no New England Journal of Medicine.

Os pesquisadores utilizaram uma máquina para “inalar” o vapor dos cigarros eletrônicos de baixa e alta tensão para determinar como se forma o formaldeído – uma conhecida substância cancerígena – a partir do líquido que utilizam estes dispositivos.

Durante a experiência, os pesquisadores constataram que quando o cigarro eletrônico aquece o líquido a alta tensão (5 volts) se produz uma taxa de formaldeído mais elevada que a do cigarro comum.

Desta maneira, o usuário de cigarro eletrônico que inala diariamente o equivalente a três mililitros deste líquido vaporizado e aquecido ao máximo absorve cerca de 14 mg de formaldeído, contra 3 mg para quem fuma um maço de cigarro comum.

A longo prazo, a inalação de 14 mg desta substância nociva por dia pode aumentar de 5 a 15 vezes o risco de câncer, destaca o estudo.

Para o diretor da divisão de tabagismo da Faculdade de Medicina de Londres, Peter Hajek, o estudo não reflete a realidade, já que “quando os cigarros eletrônicos aquecem muito, o líquido produz um sabor acre desagradável” para o fumante.

Fonte: UOL Notícias – Saúde/AFP | Foto: Thinkstock/VEJA
http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/afp/2015/01/22/cigarro-eletronico-pode-ser-de-5-a-15-vezes-mais-cancerigeno-diz-estudo.htm

Sobre Luciano Abe

Jornalista, fotógrafo, videorrepórter, documentarista, cineasta, mestrando e blogueiro com diplomas e certificados de cursos e especializações nessas áreas pela PUC-SP, Academia Internacional de Cinema (AIC) e Senac-SP. Foi professor no Senac-SP e na editoria de treinamento da Folha de S.Paulo. Jornalista profissional diplomado (Mtb: 0068126/SP)