quarta-feira, 28 junho, 2017 - 16:19
Capa » Brasil » Terrorista fez greve de fome por mais de um ano e acabou nas Paralimpíadas
Terrorista fez greve de fome por mais de um ano e acabou nas Paralimpíadas

Terrorista fez greve de fome por mais de um ano e acabou nas Paralimpíadas

O nadador espanhol Sebastián Rodríguez tem uma das histórias mais inusitadas dos Jogos Paraolímpicos. Em um evento cheio de ex-soldados feridos em combate, civis que perderam parte da capacidade de movimento em acidentes ou pessoas que nasceram com má formação ou ficaram doentes, ele está no Rio de Janeiro porque era terrorista.

A história, é verdade, não é assim tão direta. Nos anos de 1980, Chano, como é chamado pelos amigos, fazia parte do grupo armado de extrema-esquerda Grapo. A organização é considerada terrorista pela União Europeia. Em 1984, ele era um dos integrantes do comando que matou um empresário da região de Sevilla.

Ele tinha 25 anos quando foi pego e condenado a 84 anos de prisão pela participação no assassinato e em mais uma série de atentados a bomba na região. E foi na prisão que surgiu o esporte em sua vida. Nos anos de 1990, ele fez uma greve de fome para pressionar as autoridades carcerárias do país a unir os condenados do grupo do qual fazia parte em um mesmo centro de detenção.

O protesto durou 432 dias. Após diversas internações hospitalares, a falta de alimentação afetou seus órgãos e debilitou as suas pernas, impedindo-o de voltar a andar. Em 1994, Sebastián obteve liberdade condicional graças a uma lei espanhola que estipula a libertação de detentos doentes em estado grave.

Seis anos depois, estava nas Paraolimpíadas de Sydney-2000. Ganhou cinco medalhas de ouro, mas quase as perdeu. Ele informou ao IPC (Comitê Paraolímpico Internacional) que sua deficiência era resultado de um acidente. Quando a verdade apareceu, muitos pediram para que ele fosse banido do esporte. O IPC resolveu manter as conquistas.

Terrorista fez greve de fome por mais de um ano e acabou nas Paralimpíadas

Aos 59 anos, ele não gosta de falar do passado. Em 2012, após se tornar o atleta espanhol de maior sucesso em Jogos Paraolímpicos (marca já superada por Teresa Perales), disse apenas que estava arrependido. “Ao longo da minha vida, vi que estava equivocado. Mas tentei corrigir e sigo tentando. Não posso fazer nada sobre o que ficou para trás, mas posso fazer com que o futuro seja diferente”, disse, à BBC. Em 2007, ele recebeu um perdão do governo.

Em cinco edições dos Jogos, Sebastián soma 16 medalhas, oito delas de ouro. No Rio de Janeiro, ainda não subiu ao pódio. Aos 59 anos, foi quinto colocado nos 200m livre e quarto nos 50m e 100m livre da classe S5 – nas mesmas provas em que o brasileiro Daniel Dias foi ouro.

Fonte: UOL Olimpíadas | Foto 1: Divulgação e Foto 2: Julian Finney/Getty Images
http://olimpiadas.uol.com.br/noticias/redacao/2016/09/13/terrorista-fez-greve-de-fome-por-mais-de-um-ano-e-acabou-nas-paraolimpiadas.htm

Sobre Luciano Abe

Jornalista, fotógrafo, videorrepórter, documentarista, cineasta, mestrando e blogueiro com diplomas e certificados de cursos e especializações nessas áreas pela PUC-SP, Academia Internacional de Cinema (AIC) e Senac-SP. Foi professor no Senac-SP e na editoria de treinamento da Folha de S.Paulo. Jornalista profissional diplomado (Mtb: 0068126/SP)